Te Vejo Nos Meus Sonhos (Livro 1)

Wilians Baptis define Te vejo nos meus sonhos como uma “linda história de liberdade e amor sem fronteiras”.

Tão importante quanto o amor em sua afeição viva por alguém e por coisas, é também a liberdade em sua faculdade de fazer ou não qualquer coisa. Sem estes sentimentos, as histórias românticas ficam vazias de conteúdo, de caminho e de limites. Generalidades estas constantes na vida dos simples protagonistas e dos complexos coadjuvantes de um longa-metragem que ultrapassou as divisas dos continentes, Europeu e Americano. Naturalmente, Wilians Baptis vai nos envolvendo com o doce cotidiano de Veneza, o previsível caos de São Paulo e a misteriosa altitude de La Paz, sem esquecer os encantos das cidades interioranas de São José do Rio Preto e Piracicaba, e a ilha paradisíaca de Florianópolis.

De imediato, o romance entre Fabrízio e Katiuscia nos parece apenas mais um dos milhões de namoros com aventuras sentimentais que acontecem em todos os lugares do mundo. Mas ele pode ser comparado às almas gêmeas no contexto de um amor eterno e às frustrações nos golpes da vida. De mediato, as aproximações de Serena e Franco na vida do casal em destaque nos transmitem maus pressentimentos e sensações de que algo ruim pode abalar as estruturas de um grande amor. Wilians Baptis nos mostra que a confiança é uma linha muito fina que une duas pessoas. Ela é difícil de ser tecida por sua delicadeza, mas muito fácil de se arrebentar pela sua fragilidade. A flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida, três elementos que não voltam atrás na vida, foram os atrativos fundamentais às reviravoltas na vida de todos os integrantes da trama. Wilians Baptis constrói um personagem que apesar da pouca participação na história, torna-se a peça central de um quebra-cabeça que só se completará em suas últimas páginas.

Te vejo nos meus sonhos é uma grande história de um autor aprendiz e quase sequaz.

Outros livros do autor

Wilians Baptis define Te vejo nos meus sonhos como uma “linda história de liberdade e amor sem fronteiras”.

Tão importante quanto o amor em sua afeição viva por alguém e por coisas, é também a liberdade em sua faculdade de fazer ou não qualquer coisa. Sem estes sentimentos, as histórias românticas ficam vazias de conteúdo, de caminho e de limites. Generalidades estas constantes na vida dos simples protagonistas e dos complexos coadjuvantes de um longa-metragem que ultrapassou as divisas dos continentes, Europeu e Americano. Naturalmente, Wilians Baptis vai nos envolvendo com o doce cotidiano de Veneza, o previsível caos de São Paulo e a misteriosa altitude de La Paz, sem esquecer os encantos das cidades interioranas de São José do Rio Preto e Piracicaba, e a ilha paradisíaca de Florianópolis.

De imediato, o romance entre Fabrízio e Katiuscia nos parece apenas mais um dos milhões de namoros com aventuras sentimentais que acontecem em todos os lugares do mundo. Mas ele pode ser comparado às almas gêmeas no contexto de um amor eterno e às frustrações nos golpes da vida. De mediato, as aproximações de Serena e Franco na vida do casal em destaque nos transmitem maus pressentimentos e sensações de que algo ruim pode abalar as estruturas de um grande amor. Wilians Baptis nos mostra que a confiança é uma linha muito fina que une duas pessoas. Ela é difícil de ser tecida por sua delicadeza, mas muito fácil de se arrebentar pela sua fragilidade. A flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida, três elementos que não voltam atrás na vida, foram os atrativos fundamentais às reviravoltas na vida de todos os integrantes da trama. Wilians Baptis constrói um personagem que apesar da pouca participação na história, torna-se a peça central de um quebra-cabeça que só se completará em suas últimas páginas.

Te vejo nos meus sonhos é uma grande história de um autor aprendiz e quase sequaz.

Mais sobre este livro

Te vejo nos meus sonhos é o primeiro romance de Wilians Baptis e vem cercado de crimes, intrigas, traições, mistérios, revelações, saudades e acima de tudo, de muito amor. O autor nos mostra, capítulo por capítulo, que o pior cego é aquele que não quer enxergar e que existem várias histórias dentro de uma única. Cada um dos personagens terá nossa atenção em especial.